Mónica Chaves Afonso

com 17 comentários

Escritores > Mónica Chaves Afonso

Data Nasc: 31/10/1970 Naturalidade: Lisboa

Na web: Site Facebook


Biografia:

No outono escaldante de 1970, chorei, pela primeira vez, para cumprir o ritual, porque isto, quando se nasce, se não se chora, parece mal.

Aconteceu em Lisboa, capital de Portugal, três anos e seis meses antes do fim do Tarrafal.

Cresci em liberdade, que sorte descomunal, sempre disse o que me apetecia e ninguém levava a mal.

Entrei no mundo das artes, na escola de dança do conservatório nacional, seguiu-se o teatro e o ensino tradicional.

Escolhi o mundo da química para me especializar, e descobri nas moléculas histórias de pasmar.

Não é que têm vontade própria e brincam com os eletrões? E as cores e formas que elas criam dentro dos balões?

Depois, andei por aí, vi outros costumes, outras gentes e viciei-me na variedade de horizontes divergentes. Desdobrei-me e descobri que isto de gerar vida e de a ver desenvolver é um retornar ao planeta que abandonei ao crescer.

Foi então que resolvi que devia partilhar um pouco do que por aí vi a brincar e a rimar.




Principais Obras Publicadas

A Cidade Amarela
2016, Edições Esgotadas

Esta obra pretende ajudar as crianças a entender o processo de formação de outras cores, tais como o laranja, o verde e o violeta, através da mistura das cores primárias (amarelo, azul e vermelho). Dada a importância da cor para o processamento da informação veiculada pela mensagem central desta obra … Ler mais


Comprar livros de Mónica Chaves Afonso: ALMEDINA | BERTRAND | BULHOSA | FNAC | LEYA | WOOK


17 Comentários

  1. Dulce Belo
    | Responder

    Uma obra educativa, divertida e inclusiva. Muitos parabéns!

  2. Salvita Fernandes
    | Responder

    Um livro que nos ensina muito mais do que as cores. Muitos parabéns!

  3. Hileia Souza
    | Responder

    Uma obra maravilhosa!…. Boa leitura e mensagem de inclusão e de aceitação do “novo” como parte de nossas vidas. A mensagem da obra muito agradou-me. Parabéns à escritora Mónica Afonso

  4. Neuza Lopes
    | Responder

    Uma história espetacular. As crianças adoram ouvi-la. Muitos parabéns!

  5. adelaide Cruz
    | Responder

    Só a sensibilidade da Mónica para escrever um livro com uma componente lùdica , didàtica e inclusiva tão necessária nos tempos de hoje que tão pouca atenção se dá aos meninos com algumas diferenças. Parabéns que tenhas muito sucesso.

  6. Ana Luísa Mendonça
    | Responder

    Uma maneira muito interessante de aprender as cores, mesmo para aqueles que não as conseguem distinguir!

  7. Rossana
    | Responder

    Um excelente livro em todos os aspetos, mas em particular a atenção dada às crianças que possam precisar de alguma ajuda adicional. Que venham mais!

  8. Fernando Nunes
    | Responder

    Foi num cenário mágico que tive o privilégio de conhecer a história antes de ser publicada. Achei-a excelente. É sem dúvida uma obra para ser lida por crianças e adultos. Parabéns Mónica, Felicidades.

  9. Ricardo Conde
    | Responder

    Grande livro, para pequenos e grandes! Desejo muito sucesso, pois é merecido! Continua, precisamos de mais! Altamente recomendado! Parabéns!

  10. Sandrina Simões
    | Responder

    Tive o previlégio de poder acompanhar o nascimento, crescimento e agora a publicação deste livro, Recomendo vivamente, escrito por uma “sonhadora nata” que nos transporta para esse seu mundo de uma forma tão especial e envolvente e ainda com a componente educativa que torna este livro ainda mais especial. Muitos Parabéns pela conquista mas principalmente pela perseverança em querer partilhar um bocadinho de ti com o Mundo 😉 Sei que existem mais projectos na gaveta, cá os espero ansiosa!

  11. Rita Salgueiro
    | Responder

    A Cidade Amarela já faz parte da biblioteca do reguila pequeno e foi um sucesso. Obrigada por seres quem és e teres a capacidade de o transmitir de forma tão bonita. Estamos a aguardar pelas próximas “cores” 🙂

  12. Ruth Vera
    | Responder

    Livro maravilhoso!! Adorei que uma Química tinha dado poesia as cores e deixado tão bonito e prazeroso a leitura. Eu e meus filinhos adoramos ler!!!

  13. Victor Laia
    | Responder

    A Cidade Amarela é um livro encantador, não apenas para as crianças, mas também para nós adultos.
    Parabéns, Mónica! Continua!

  14. Margarida Afonso
    | Responder

    É uma obra didática que nos leva a todos, adultos e crianças, a conhecer o mundo das cores na suas vertentes química, artística, poética e social, de uma forma divertida, criativa e inclusiva Parabéns Mónica, continua, vai em frente.

  15. Vanda Leal Teixeira
    | Responder

    Que maneira interessante e criativa de tratar a formação das cores!
    E que linguagem simples e pedagógica!
    Parabéns pela parceria com a Color ADD. Finalmente o daltonismo é uma preocupação.
    Gostei muito. Continua,Mónica

  16. Independentemente de ensinar cores a crianças daltônicas, o que em si já é bastante relevante, a narrativa “A cidade amarela”, de Monica Afonso, afirma-se também por outras características, a saber:
    1. Pelo apelo à imaginação da criança, hoje manipulada por tantos brinquedos eletrônicos, pela televisão, por computadores de todos os gêneros e tudo o mais que o meio digital oferece. Isto significa que a narrativa “A cidade amarela” induz desde cedo a criança à independência e à soberania sobre seu eu. Induz a criança a ir descobrindo suas possibilidades e seus talentos. Precisamos de crianças capazes de enfrentar as máquinas e algoritmos refinadíssimos que já existem e aqueles que, com certeza, virão.
    2. Pelo uso de uma linguagem poética, que, no caso, transmite meiguice, paciência, compreensão, diálogo e é fácil de reter na memória.
    3. Pela transmissão de valores éticos (sintonia social, espontaneidade, liberdade, compartilhamento), falando nas entrelinhas de um pacto social necessário à sobrevivência da vida civilizada.
    4. Pela ênfase dada à necessidade da experimentação, da descoberta e da diversidade.

  17. Rita Rodrigues
    | Responder

    Um livro especial que espelha a sensibilidade e a empatia da escritora. 7/7 estrelas!

Comentar