Mário Braga

com Sem comentários

Escritores > Mário Braga

Data Nasc: 14/07/1921 Naturalidade: Coimbra

Na web:


Mário Augusto de Almeida Braga, escritor, jornalista e tradutor, nasceu em Coimbra, em 1921.

Licenciou-se em Ciências Histórico-Filosóficas pela Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra e exerceu a actividade de docente de Filosofia no Colégio Externato Ramalho Ortigão.

Após o 25 de Abril, foi Director Geral da Divulgação Cultural. Foi membro do Conselho Consultivo das Bibliotecas Itinerantes da Fundação Calouste Gulbenkian e tradutor de várias obras literárias (Elsa Triolet, Vercors, entre muitos outros autores).

Foi, também, editor da revista coimbrã Vértice, (1946-1965), uma tribuna do movimento neo-realista português e um instrumento de resistência à ditadura do Estado Novo.

Mário Braga escreveu no domínio do conto e novela, ensaio crítico e literário, crónica, teatro e ainda do diário.

Estreou-se, em 1944, com o livro de contos Nevoeiro. A colectânea Serranos viria, logo depois, a confirmar a sua tendência para a narrativa breve, particularmente centrada nos dramas do trabalhador rural e nos seus conflitos sociais e económicos.

A sua peça O pedido : peça em um acto foi representada pela primeira vez no Teatro Ribeiro Chagas, das Caldas da Rainha, em 2 de Julho de 1949.

Mais tarde, em Quatro Reis, O Livro das Sombras e Corpo Ausente, a temática dos contos evoluiu para um ambiente mais citadino, atingindo com O Reino Circular a alegoria e a sátira de feição ideológica. Nunca deixando de reflectir no âmbito cultural e político, como testemunham os dois volumes de As Ideias e a Vida (1965), Braga escreveu ainda Momentos Doutrinais onde revela o seu percurso pela literatura e as ideias que juntou a partir das suas reflexões.

Colaborou nos jornais Diário de CoimbraGazeta de CoimbraGazeta Musical e de Todas as Artes, A CapitalDiário PopularO Primeiro de Janeiro e na revista Seara Nova.

Recebeu o Prémio Ricardo Malheiros da Academia das Ciências de Lisboa de 1960.

Redigiu o argumento de Lotação Esgotada (1972), filme ‘neo-realista’ do realizador Manuel Guimarães.

Em 2008/2009 o Museu do Neo-realismo, em Vila Franca de Xira, acolheu a exposição biobibliográfica ‘Mário Braga – Um Escritor no Reino Circular’ (curadoria: David Santos e António Mota Redol) com a sinopse: «Por várias razões, o escritor Mário Braga (Coimbra, 1921) é um caso singular no universo literário neo-realista. Autor de uma obra expressa em diversos géneros, é ainda hoje sobretudo reconhecido como contista de mérito inquestionável. Na verdade, o romance, o teatro e o ensaio são esporádicos na sua obra, tendo o conto assumido maior e decisivo protagonismo no seu exercício ficcional. Ao longo do seu percurso literário foi apurando uma forma de escrever simples, directa e incisiva, que introduziu alguma novidade na tradição do conto rústico português. O ruralismo da Beira Interior converte-se rapidamente no ambiente privilegiado da 1ª fase da sua carreira, dando aos seus textos, no entanto, uma expressão de universalidade comum a outros escritores neo-realistas. Já na fase de maturidade, não só a cidade surge mais amiúde, como dedica mais atenção à designada “análise dialéctica do eu”, sem abandonar, porém, as preocupações de carácter social. A crónica e o texto político preenchem a sua última fase de produção literária, menos dedicada, por isso, à prática da ficção.»

Faleceu, em Lisboa, a 1 de Outubro de 2016.

Bibliografia:

Nevoeiro (contos) (1944)
Caminhos sem Sol (novelas) (1948)
Serranos (contos) (1948)
O Pedido (teatro) (1949)
Platão e a Poética (ensaio) (1950)
Camilo e o Realismo (ensaio) (1957)
Mariana (novela) (1957)
Quatro Reis (contos) (1957)
Histórias da Vila (contos) (1958)
Vale de Crugens (novela) (1958)
O Cerco (novela) (1959)
O Livro das Sombras (narrativas) (1960)
O Gnomo (romance) (1962)
Corpo Ausente (novelas) (1961)
Viagem Incompleta (contos) (1963)
As Ideias e a Vida (crónicas) (1965)
A Ponte sobre a Vida (teatro) (1965)
Café Amargo (teatro) (1966)
Antes do Dilúvio (romance) (1967)
Os Olhos e as Vozes (novelas) (1971)
O Reino Circular (romance) (1971)
Entre Duas Tiranias: Uma Campanha Pouco Alegre em Prol da Democracia (ensaio) (1977)
O Intruso (contos e novelas) (1980)
Contos Escolhidos (1983)
As Rosas e a Pedra (crónicas) (1995)
Contos de Natal (1995)
Espólio Intacto (novela) (1996)
Momentos Doutrinais (ensaio) (1997)

 


Principais Obras Publicadas

Momentos Doutrinais
1997, Escritor

Neste ‘Momentos Doutrinais’, Mário Braga revela o seu percurso pela literatura e as ideias que juntou a partir das suas reflexões. “…quanto ao título do livro, quero somente dizer que o termo ‘doutrinal’, que nele utilizo, não se deve tomar, de modo algum, no sentido de defesa de um conjunto de … Ler mais

Espólio Intacto
1996, Escritor
As Rosas e a Pedra
1995, Escritor
Contos de Natal
1995, Escritor
O Intruso
1980, Círculo de Leitores

Colectânea de contos de Mário Braga publicados ao longo da sua carreira até 1980. Todos os contos (O Intruso, Ferrete, A noite era escura, A carta, Decência, A cabeça do burro, Nos bastidores, A doação, Penélope, O homem das barbas, Cárcere privado, Liberdade poética, O assalto e, Espólio intacto) são … Ler mais

Serranos
1968, Portugália Editora (4ª edição)

Serranos, agora apresentados em 4.ª edição, é um dos livros mais importantes de Mário Braga, «um conjunto de contos» (escreveu Óscar Lopes) «cuja concepção é quase sempre notável, porque conduzem a situações de significado ou mesmo de insinuação». É um dos liros que melhor traduzem a afirmação de Mário Sacramento … Ler mais

Caminhos sem Sol
1948, Coimbra Editora


Comprar livros de Mário Braga: VER LIVRARIAS


Notícias do escritor

De momento, não temos noticias sobre este escritor.

Comentar