Alberto Pimenta

com Sem comentários

Escritores > Alberto Pimenta

Data Nasc: 26/12/1937 Naturalidade: Porto

Na web:


Alberto Pimenta nasceu no Porto a 26 de dezembro de 1937.

A sua obra destaca-se pelo caráter crítico e reverente em que é apresentada, para além da diversidade dos géneros abordados, entre os quais a poesia, o teatro, a ficção, a linguística, a crítica e ainda através de happenings e performances.

Licenciou-se em Filologia Germânica na Universidade de Coimbra e foi leitor de português em Heidelberg, contratado primeiro pelo governo português, que o demitiu pela sua luta contra o regime fascista salazarista e também a sua oposição à política colonialista em África, e depois directamente pela Universidade de Heidelberg. Aí permaneceu até 1977.

Entretanto, Alberto Pimenta havia já publicado “ O labirintodonte”, em 1970, “Os entes e os contraentes”, em 1971, e “Corpos estranhos”, em 1973.

Em 1977,  Alberto Pimenta publicou o livro de poesia “Ascensão de dez gostos à boca”. Foi também nesse ano que realizou um happenning histórico ao trancar-se numa jaula no Jardim Zoológico de Lisboa, ao lado de uma outra jaula onde estavam dois macacos, empunhando uma tabuleta onde estava escrito “Homo sapiens”. E foi ainda o ano em que lançou o seu livro mais traduzido, “Discurso sobre o filho-da-puta”.

Alberto Pimenta destacou-se também pelas suas suas obras teóricas, das quais se destacam “O silêncio dos poetas”, lançada inicialmente em itália, em 1983, e “A magia que tira os pecados do mundo”, lançada em 1995.

Traduziu, entre outros, Thomas Bernhard (A Força do Hábito, em colaboração com João Barrento, 1991) e Botho Strauss (O Parque). Colaborou com Miguel Vale de Almeida e Rui Simões em Pornex: Textos Teóricos e Documentais de Pornografia Experimental Portuguesa (coord. de Leonor Areal e Rui Zink), 1984.

Em 2005, lançou o livro “Marthiya de Abdel Hamid segundo Alberto Pimenta”, uma obra poética que retrata a invasão do Iraque por parte dos Estados Unidos da América. Além deste, lançou ainda o texto em prosa “Deusas ex-machina”, em 2004, e os poemas “Grande colecção de inverno 2001-2002”, em 2001, “Tijoleira”, em 2002, “Imitação de Ovídio”, em 2006, “Indulgência plenária” e “Planta rubra”, em 2007, e “Prodigioso Acanto”, em 2008.

Alberto Pimenta trabalhou como professor convidado da Universidade Nova de Lisboa. Os seus textos, por vezes publicados em livros com uma configuração gráfica original, assumem um sentido polémico e ao mesmo tempo de vanguarda.

Obras publicadas:

Poesia

1970 – O labirintodonte (Lisboa).

1971 – Os entes e os contraentes (Coimbra).

1973 – Corpos estranhos (Coimbra).

1977 – Ascensão de dez gostos à boca (Coimbra).

1980 – Jogo de pedras (Lisboa: Appia) – Antologia.

1981 – Canto nono (Lisboa).

1982 – Homilíada Joyce (Lisboa: &etc).

1983 – In modo di-verso (Salerno: Ripostes).

1984 – Adan (Lima: Hueso número).

1984 – Read Read & Mad (Lisboa: &etc).

1986 – Metamorfoses do vídeo – Antologia (Lisboa: José Ribeiro Editor).

1988 – The Rape (Lisboa: Fenda).

1990 – Obra quase incompleta (Lisboa: Fenda)

1992 – Tomai, isto é o meu porco (Lisboa: Fenda)

1992 – A divina multi(co)média (Lisboa: &etc).

1993 – Santa copla carnal (Lisboa: Fenda).

1996 – A sombra do frio na parede (Porto: Edições Mortas).

1997 – Verdichtungen (Viena: Splitter).

1998 – As moscas de pégaso (Lisboa: &etc).

1998 – Ainda há muito para fazer (Lisboa: &etc).

2000 – Ode pós-moderna (Lisboa: &etc).

2001 – Grande colecção de inverno 2001-2002 (Lisboa: &etc).

2002 – Tijoleira (Lisboa: &etc).

2004 – A encomenda do silêncio (São Paulo: Odradek Editorial)

2005 – Marthiya de Abdel Hamid segundo Alberto Pimenta (Lisboa: &etc).

2006 – Imitação de Ovídio (Lisboa: &etc).

2007 – Indulgência plenária (Lisboa: &etc).

2007 – Tanto fogo e tanto frio: O último sonho de Olímpio (Lisboa: &etc).

2007 – Planta rubra (Lisboa: &etc).

2008 – Prodigioso Acanto (Lisboa: &etc).

2010 – Registo de viver (Lisboa: Perve Global)

2010 – Que lareiras na floresta (Porto: 7 Nós)

2011 – Reality Show ou Alegoria das Cavernas (Mia Soave).

2011 – O Desencantador (Porto: 7 Nós).

2012 – Al Face-Book (Porto: 7 Nós).

2012 – De nada (Lisboa: Boca) – Áudio livro.

2014 – Autocataclismos (Lisboa: Pianola Editores)

2016 – Nove Fabulo, o Mea Vox | De Novo Falo, a Meia Voz (Lisboa: Pianola Editores)

Prosa

1977 – Discurso sobre o filho-da-puta (Lisboa: Teorema)

1980 – Discorso sul figliodiputtana (Milão: All’Insegna del Pesce)

1980 – Bestiário Lusitano (Lisboa: Appia)

1982 – Discurso sobre o filho da puta (Rio de Janeiro: Codecri)

1984 – As 4 estações (Lisboa: &etc)

1988 – Sex shop suey (Lisboa: &etc)

1990 – Discurso sobre el hijo de puta (Valencia: Víctor Orenga)

1994 – O terno feminino (Lisboa: &etc)

1996 – Adresse aux fils de pute (Paris: L’insomniaque)

1997 – A repetição do caos (Lisboa: &etc)

1999 – Elles: um epistolado (Lisboa: Escritor)

2000 – Discurso sobre o filho-de-deus, ao qual se segue o Discurso sobre o filho-da-puta (Lisboa: Teorema)

2004 – Deusas ex-machina (Lisboa: Teorema)

2010 – Discurso Sobre o Filho-da-Puta (Porto: 7 Nós)

2014 – Bestiário Lusitano (2ª edição, Lisboa: Momo)

Outros:

1977 – Homo sapiens (Lisboa: &etc)

1978 – Il silenzio dei poeti (Milão: Feltrinelli)

1978 – O silêncio dos poetas (Lisboa: A regra do jogo)

1979 – Heterofonia (Lisboa: &etc)

1982 – A visita do Papa (Lisboa: &etc)

1982 – A (más)cara diante da cara (Lisboa: Presença)

1983 – Tríptico (Homo sapiens, SPECtacULU, Conductus) (Lisboa: &etc)

1983 – Uni-verso pro-Lixo (Lisboa: Escola Superior de Belas-Artes)

1985 – O desafio da mundança (Lisboa: Escola Superior de Belas-Artes)

1989 – A metáfora sinistra (Lisboa: Quimera)

1990 – Um enlace feliz (Lisboa: Destinos)

1992 – IV de ouros (Lisboa: Fenda)

1995 – A magia que tira os pecados do mundo (Lisboa: Cotovia)

2001 – Selos (em Selos de Waldemar Santos; Porto: Éterogémeas)

2003 – O silêncio dos poetas (edição revista e ampliada com A dimensão poética das línguas; Lisboa: Cotovia)

 

 


Principais Obras Publicadas

De Nada
2012, Boca

A Boca orgulha-se de apresentar o primeiro audiolivro do grande poeta e performer Alberto Pimenta. Aos 74 anos, o escritor regressa aos poemas curtos para um diálogo urgente sobre as notícias do dia e de sempre, sempre as mesmas. Como o grafito que ilustra a capa, este livro inscreve-se na … Ler mais

Al Face-Book
2012, 7 nós
O Desencatador
2011, 7 nós

Alberto Pimenta continua a fazer da poesia um acto de perigosidade.O perigo de um livro é o seu encantamento. Imagine agora o leitor um livro com dois finais diferentes?”O Desencantador” é prenhe de singularidades. O livro, cujo início e os fins são reproduções do original manuscrito, está envolvido numa sobrecapa, … Ler mais

Publicado pela primeira vez em Itália, em 1978, e no mesmo ano, pouco mais tarde, em Portugal, O Silêncio dos poetas volta finalmente às livrarias portuguesas pelas mãos da Cotovia. Esta edição aparece valorizada por dois novos estudos: Reflexões sobre a função da arte literária e A dimensão poética das línguas. A uni-los, de acordo … Ler mais

Partindo do princípio de que a literatura, apesar da sua “origem histórica, crescimento e evolução com fases, (…) está por fora” na “história da humanidade”, porque esta “não passa de metáfora estatística, metáfora do tempo linear, que se supõe que flui em linha recta e produz os eventos”, Alberto Pimenta … Ler mais

Obra Quase Incompleta
1990, Fenda Edições
Discurso Sobre o Filho-da-Puta
1977, Teorema [Reed. 7 nós]

Os anos que passaram desde a primeira edição do “Discurso Sobre o Filho-da-Puta”, em 1977, encarregaram-se de revelar à exaustão a intemporalidade desta obra. Apresentá-la hoje aos leitores é tarefa que nós deixamos tanto às próprias circunstâncias que nos envolvem e nos levaram a escolhê-la para publicação, como à lucidez … Ler mais

O Labirintodonte
1970, [Reed. 2013, 7 nós]

Não é um engano dizer que estes versos, publicados em 1970, davam o mote a um dos mais inconformados e iconoclastas livros de poesia da literatura portuguesa. Não é um engano atribuí-los à ironia sempre afiada e assestada de Alberto Pimenta. Não é um engano supor que, ao longo dos … Ler mais


Comprar livros de Alberto Pimenta: VER LIVRARIAS


Notícias do escritor

De momento, não temos noticias sobre este escritor.

Comentar