A LIVRARIA

28/07/2017 - Por António Garcia Barreto

Eu gostava de livros, lia tudo o que me caía nas mãos. Além de revistas de histórias aos quadradinhos, como o Cavaleiro Andante, jornais infantis e revistas com mulheres nuas, de procedência desconhec … Ler mais

JOANINA

21/07/2017 - Por Cristina Carvalho

Sumi-me por umas ruas estreitas, fui escorregando no tempo, fui alcançando a memória. E ao virar de uma esquina, já no alto, no profundo, uma cidade a correr tonalidades de verde em garantidos repouso … Ler mais

A cobra que há em nós

14/07/2017 - Por Raquel Ochoa

«Os outros, eis a grande surpresa também. Os outros estão sempre diferentes. Pessoas que naquele sítio foram fundamentais para aquele sítio ser o que era e agora nem ali estão. Ou estão, embora ocupad … Ler mais

Ama-me, Alfredo

07/07/2017 - Por Tiago R. Santos

«…não há lá grande coisa no céu. Já olhaste para cima? Só existem nuvens, estrelas e o sol e, vamos lá ser honestos, acho que não dá muito jeito ir viver para lá: o sol é quente, as nuvens instáveis … Ler mais

Os seios de Ofélia

30/06/2017 - Por João Morgado

«Esperava por ela todas as manhãs. Esperava que ela viesse receber o sol nos cabelos claros, com os seus olhos verdes que encantavam, com o seu peito arrebatador. Era a mais feminina de todas as paisa … Ler mais

PALAVRAS

23/06/2017 - Por Isabel Rio Novo

«Está comprovado que o vocabulário médio de um falante do português diminuiu drasticamente ao longo das últimas décadas. Temos cerca de 110 000 palavras dicionarizadas, sem falar nas locuções, e o por … Ler mais

FOLHAS ACABADAS DE MORRER

17/06/2017 - Por Cláudia Lucas Chéu

«Lembrei-me desta situação porque estou aqui a olhar para esta folha. Apercebo-me que as folhas escritas também estão mortas, assassinadas várias vezes.»

Coreia, a Sul

10/06/2017 - Por João Reis

«Só ao sétimo dia conheci um escritor coreano capaz de dizer três palavras em inglês. O escritor, um jovem poeta, desenhava e pretendia reunir os seus poemas, enquanto eu alinhavava dois romances»

Carne viva

10/06/2017 - Por Luís Filipe Borges

«O taxista pagou por tudo duma vez só. Parei entre prantos maternos e um ataque epiléptico do pai.»