Passageiro Frequente

com Sem comentários

Escritores > Daniel Jonas > Passageiro Frequente


Ano: 2013 | Editora: Língua Morta

O silêncio
de um fruto sobre a mesa,
apenas ferido
por um gume de luz
no meridiano.

Mas nenhuma ameaça,
nem o arnês de dedos
formando-se no horizonte,
apenas o golpe do sol
afiado na vidraça.

Um fruto
é um velho mestre
esperando na luz
as trevas
do amadurecimento.

O vinho só me lembra o não olvido.
Assim serei silêncio de uma história.
És breve. Já te esquece…
Ignara, ali sorrindo na memória,
Dum tempo que futuro hoje é já ido.
Quem ama anoitece.

Daniel Jonas em Passageiro Frequente


Comprar livros de Daniel Jonas: VER LIVRARIAS


Comentar