Debate “Francisco Papa: Líder Político-Moral Global” realiza-se amanhã em Vila Nova de Gaia

com Sem comentários

Está agendado para o dia 26 de abril, pelas 21h30, na Capelo do Convento do Corpus Christi, em Vila Nova de Gaia, o debate “Francisco Papa: Líder Político-Moral Global”, com Frederico Lourenço, Pedro Mexia e Delfim Sousa, moderado por Anselmo Borges.

Em destaque o mais recente livro de Anselmo Borges “Francisco: desafios à Igreja e ao Mundo”, com chancela Gradiva.

.

Muitos são os desafios que o Papa Francisco enfrenta. E muitos são os desafios que coloca à Igreja e aos cristãos.

O autor refere no texto inicial: «Francisco vai conseguir? Ele sabe que tem muitos opositores e mesmo inimigos, sobretudo entre cardeais e bispos e também sabe que talvez seja mais amado fora do que dentro da Igreja. […] Ele é franciscano por opção, isto é, cristão, seguindo os passos de Jesus, que proclamou o Deus da misericórdia. Mas ele é também o primeiro Papa jesuíta da história, portanto, com visão ampla do mundo e estratégia de organização e eficácia. E a sua formação de base é de químico e, embora latino-americano, os seus pais foram emigrantes italianos e também estudou Teologia na Alemanha e tornou-se o líder político-moral global mais carismático e humano. A síntese de franciscano e jesuíta tornam irreversível o processo que iniciou.»

Esta obra organiza-se em torno de quatro eixos: De Bento XVI a Francisco; Sexualidade e Família; Pessoa, Ética e Política; Para Uma Igreja do Século XXI.

«O que é admirável em Anselmo Borges é que ele pronuncie a palavra liberdade na casa da Igreja, com a naturalidade e a coragem próprias de quem deseja defender o essencial. Com este livro o autor volta a falar sem temor. Mais uma vez, perante o dogma invoca a inteligência, e em face da carta fechada do futuro delineia os caminhos que conduzem à esperança, enunciando os combates que se avizinham entre a lei do costume e a revolução das mentalidades. Nessa batalha, entre herança e libertação, percebe-se que as causas de Anselmo Borges vão na frente.»

Lídia Jorge, Escritora

.

Comentar