Rotinas turísticas no Regime de Salazar analisadas na obra “A Bem da Nação”

com Sem comentários

Está já disponível a obra “A Bem da Nação. As Representações Turísticas no Estado Novo entre 1933 e 1940”, de Maria Cândida Pacheco Cadavez, com chancela Edições 70, Grupo Almedina.

.

 “A Bem da Nação. As Representações Turísticas no Estado Novo entre 1933 e 1940” é uma reflexão sobre as rotinas turísticas praticadas em Portugal, nos primeiros anos do regime de António de Oliveira Salazar.

Da autora Maria Cândida Pacheco Cadavez, esta obra tem por objetivo demonstrar que o turismo era entendido nesta altura como mais um veículo de divulgação e de validação da nova ideologia. Por essa razão, esta investigação atribui um enfoque especial ao papel desempenhado por António Ferro, responsável pela imagem da Nação entre 1933 e 1949, e às iniciativas que este apadrinhou nesse âmbito. Demonstra ainda o modo como o escritor, jornalista e político português conseguiu projetar o regime e a forma como o turismo se revelou um excelente meio de projeção política.

Escrito de uma forma simples e eficaz, o livro revela-nos a importância da propaganda ideológica no regime de Salazar. Por outro lado, aborda uma época social e histórica que a sociedade portuguesa está agora a desconstruir e a integrar no seu imaginário.

 .

Sobre a autora:

Maria Cândida Cadavez é doutorada em Estudos de Literatura e de Cultura, especialidade de Ciências da Cultura pela Universidade de Lisboa; pós-graduanda em Direito do Património Cultural na Faculdade de Direito de Lisboa.

Investigadora Integrada no Instituto de História Contemporânea da Faculdade de Ciências Socias e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Grupo de Investigação: Economia, Sociedade, Património e Inovação.

Investigadora Colaboradora no Centro de Estudos de Comunicação e Cultura da Faculdade de Ciências Humanas da Universidade Católica Portuguesa. Linha de Investigação: Arte, Cultura e Cidadania.

Áreas de investigação: Estudos de Turismo, história do turismo, representações e ideologia(s), inovação e criatividade turísticas vs. Globalização.

.

Comentar